Prefeitura fiscaliza normas sanitárias em Araguaína

Prefeitura fiscaliza normas sanitárias em Araguaína

Vigilância Sanitária vem trabalhando na conscientização dos comerciantes para que se adequem às normas sanitárias, para evitar riscos à saúde pública

 

Em Araguaína, diversos locais são referência para os moradores em relação ao comércio de carnes e produtos alimentícios em geral. Entretanto, com a evolução das normas sanitárias que visam proteger os alimentos a serem oferecidos aos consumidores, o Ministério Público Estadual requisitou à Prefeitura a fiscalizar estabelecimentos que estejam vendendo mercadorias impróprias para o consumo.

A partir desse ponto, a Vigilância Sanitária de Araguaína vem trabalhando mais constantemente nesses locais com o objetivo de conscientizar os comerciantes para se adequarem às normas sanitárias vigentes tanto no Município como em legislação federal.

Riscos à saúde pública

Durante as fiscalizações realizadas pela Vigilância Sanitária do Município, tanto para orientar e notificar os estabelecimentos comerciais irregulares, são observadas a falta de infraestrutura, equipamentos em más condições de manutenção, péssimas condições de higiene, manipulação de alimento sem o devido licenciamento no órgão oficial de inspeção (como linguiça caseira), armazenamento de alimentos em contato direto com o chão, estufa de alimentos desligados, entre outras.

Pode-se citar, dentro da falta de infraestrutura, estabelecimentos sem forro, com paredes sujas, teias de aranha, balcão e pias em péssimo estado de conservação. Com relação às más condições de manutenção dos equipamentos, são observados ganchos enferrujados, moedor de carne e caixas de isopor sujos.

Capacete, roupas e outros tipos de objetos não podem ser manuseados no ambiente de manipulação de alimentos. Outro ponto importante de observação, durante as inspeções sanitárias, é o acúmulo de lixo e da poeira que se acumulam pelos móveis e alimentos.

Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA)

São doenças provocadas pelo consumo de alimentos que ocorrem quando micróbios prejudiciais à saúde, parasitas ou substâncias tóxicas estão presentes no alimento. Os sintomas mais comuns de DTA são vômitos e diarreias, podendo também apresentar dores abdominais, dor de cabeça, febre, alteração da visão, olhos inchados, dentre outros. Para adultos sadios, a maioria das DTA dura poucos dias e não deixa sequelas; para as crianças, as grávidas, os idosos e as pessoas doentes, as consequências podem ser mais graves, podendo inclusive levar à morte.

Resolução RDC Anvisa – nº 216/04

Esta resolução estabelece as boas práticas para serviços de alimentação. As boas práticas são práticas de higiene que devem ser obedecidas pelos manipuladores desde a escolha e compra dos produtos a serem utilizados no preparo do alimento até a venda para o consumidor. O objetivo das boas práticas é evitar a ocorrência de doenças provocadas pelo consumo de alimentos contaminados.

Orientações

O local de trabalho deve ser limpo e organizado, deve ser mantido bem iluminado e ventilado. Para isso, mantenha o piso, a parede e o teto conservados e sem rachaduras, goteiras, infiltrações, mofos e descascamentos. Faça a limpeza sempre que necessário e ao final das atividades de trabalho. As lâmpadas devem estar protegidas contra quebras.

As superfícies que entram em contato com os alimentos, como bancadas e mesas, devem ser mantidas em bom estado de conservação, sem rachaduras, trincas e outros defeitos.

Outra ação do Município, que está em andamento paralela às orientações, é a revitalização da Feirinha, que precisa do apoio dos comerciantes do local para mudar para outra estrutura, temporariamente, para que as obras sejam realizadas.

Contato da Vigilância Sanitária Municipal

Para mais informações e orientações, o telefone da Vigilância Sanitária é (63) 3412-3209.

Comments are closed.