Sistemas que abastecem a Grande SP sobem, e Cantareira vai a 9,5%

Sistemas que abastecem a Grande SP sobem, e Cantareira vai a 9,5%




Nível do principal reservatório da Grande SP volta ao patamar de novembro.
Situação, porém ainda é crítica, e não afasta risco de racionamento

Apesar de ter recebido apenas 3 milímetros de chuva nas últimas 24 horas, o sistema Cantareira voltou a ter alta acima da média e está com 9,5% do seu volume nesta quinta-feira (19), segundo boletim divulgado às 9h pela Sabesp. A elevação de 0,6 pontos percentuais  repete o ganho de nível de quarta-feira (19), o maior em um único dia desde o início da crise, em janeiro de 2014.

Trata-se da 16ª alta de fevereiro e a 14ª consecutiva. O aumento do nível desde o começo do mês é de 4,5 pontos.  As represas voltaram ao patamar do dia 23 de novembro de 2014, mas ainda estão longe do volume apresentado há exatamente um ano: 18,2%.

Os números, no entanto, devem ser vistos com cautela. O reservatório, que abastece 6,2 milhões de pessoas na Grande São Paulo, está tendo menos água retirada por causa da crise e também se beneficia da redução de pressão nas torneiras dos consumidores.

As chuvas de fevereiro já superaram em 30,6% o previsto para todo o mês, mas a situação ainda é crítica e o racionamento não está descartado pelo governo. Apesar das recentes elevações no nível, o manancial ainda não recuperou nem o segundo volume morto, captado a partir de outubro, que representa 10,7% da capacidade do sistema.

Os demais sistemas também voltaram a apresentar alta, e o mais crítico deles, o Alto Tietê, segundo maior em capacidade de armazenamento, subiu de 16,3% para 17,2%.

Rodízio
Na sexta-feira (13), o governo de São Paulo divulgou que não descarta rodízio de água. Também informou que irá criar um plano de contingência caso seja necessário adotar o racionamento.

Escassez de chuvas foi o motivo apontado pelo governo como problema no abastecimento. Por isso, recomenda à população que economize no consumo.

O Centro Nacional de Monitoramento de Desastres Naturais (Cemaden), em São José dos Campos (SP), divulgou relatório no início de fevereiro mostrando que o Cantareira poderia secar em junho considerando a média de chuva dos últimos meses. O relatório traz cinco cenários e, no pior deles, com previsão de chuva 50% abaixo da média, não haveria mais água no meio do ano.

Multa
A Sabesp começou a entregar no início da semana passada as contas de água com multa para quem excedeu a média do consumo. A sobretaxa na conta foi autorizada pela Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp) e a multa varia entre 40% e 100% para quem consumir mais água neste ano no comparativo entre fevereiro de 2013 e janeiro de 2014.

A multa foi de 40% para quem consumiu até 20% a mais do que a média do período anterior e a taxa foi de 100% para quem utilizou mais que 20%. A medida é válida somente na parte do gasto de água encanada, que representa metade do valor da conta. Os outros 50% são referentes ao serviço de coleta de esgoto.

Bônus
Entre fevereiro e outubro do ano passado, a companhia concedeu bônus de 30% na conta de clientes que economizassem 20% ou mais de água em relação à média de consumo entre dos 12 meses que vão de fevereiro de 2013 a janeiro de 2014.
A medida foi adotada para estimular a redução no consumo. Desde novembro, o desconto gradual passou a ser dado para os imóveis que reduzirem o consumo entre 10% e 20%. O desconto foi prorrogado até o fim de 2015.

O nível de água das represas do Sistema Cantareira subiu de 7,1%, no sábado (14), para 7,3% neste domingo (15), segundo boletim divulgado no site da Sabesp. Elas abastecem 6,2 milhões de pessoas na Grande São Paulo.

(Do G1, SP)

Fazer um comentario