Encerrada etapa do projeto “Educar, Conhecer para Preservar”, em Araguaína

Encerrada etapa do projeto “Educar, Conhecer para Preservar”, em Araguaína

Além de ações ambientais, o projeto auxilia os participantes a gerar renda. As ações continuam nesta semana no Setor Maracanã

 

A última sexta-feira foi a finalização de uma das etapas do Projeto “Educar, Conhecer para Preservar”, desenvolvido pela Prefeitura de Araguaína. No pátio da Secretaria do Trabalho e Ação Social, a solenidade de encerramento reuniu instrutores, admiradores e servidores. A secretaria desenvolve o projeto em unidades de ensino, CRAS e Serviço de Convivência. Além deles, estiveram presentes também a primeira-dama e presidente da Fundação de Atividade Municipal Comunitária (Funamc), Nil Dimas, o secretário do Trabalho e Ação Social, José da Guia, e o secretário da Habitação, Geraldo Silva.

Durante o evento foram expostos trabalhos confeccionados pelos participantes do projeto, em grande parte família carentes; mudas de plantas nativas; arte com material reciclável; e pratos feitos com restos de alimentos, como doces, bolos e sucos. O professor Claudiomar Martins ministrou também uma palestra sobre meio ambiente.

Na execução do projeto em escolas, creches, CRAS e áreas degradas, houve plantio de mudas, atividades em passeios turísticos e oficinas para ensinar os participantes a transformar lixo em arte, através da reciclagem de garrafas pet, vidros, CD’s, filtro de ar condicionado e rolo de papel higiênico. O projeto também contou com a criação de composições em vidro e quadros feitos de biscuit.

Superintendente de programas e projetos da secretaria, Socorro Ferreira avaliou como um sucesso o projeto, que possibilitou a geração de agentes de conhecimento da realidade local e global. Por esse motivo, será implantado dentro da secretaria, envolvendo todos os servidores. “Nosso mote foi a proteção ao meio ambiente e oportunizar uma geração de renda, com a confecção de materiais que iriam para o lixo”, disse, acrescentando que, principalmente agora, conta com o apoio da equipe da secretaria.

Solidariedade

Observando os resultados expostos, a primeira-dama e presidente da Fundação de Atividade Municipal Comunitária (Funamc), Nil Dimas, disse estar admirada com a aprovação e positividade do projeto. Para ela, as bolsas feitas com leite longa vida demonstram a imensa criatividade das participantes. “Achei muito lindas, porque ninguém nota observando assim. Com um custo médio de R$ 2 em cada uma, as bolsinhas podem ser comercializadas por até 15 reais”, contabilizou dona Nil, apontando também para as armações de abajures feitos com balão e barbante.

Segundo Nil, o maior prêmio é saber que famílias estão sendo capacitadas para gerar renda. “O melhor troféu é levar até elas um curso gratuito e saber que trata-se de forma de gerar renda. Isso é muito gratificante”, disse a primeira dama, assegurando que os produtos têm boa aceitação e saída. De acordo com ela, todos os produtos feitos com a criatividade dos participantes do projeto a partir de materiais recicláveis serão vendidos e a renda arrecadada será revertida na compra de medicamentos e lençóis para a Casa de Acolhimento Ana Carolina Tenório.

Há cerca de um mês em execução, o projeto já aconteceu no CRAS 1, no Céu Azul, e no CRAS 3 do Costa Esmeralda e no Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV – CRAS 1) do Setor Novo Horizonte. Nos dias 19 a 21 de outubro, será a vez dos moradores do CRAS 3, no Setor Maracanã, receberem as ações.

Programação Maracanã (CRAS 3):

Dia 19 (segunda-feira)

15h – Abertura com palestra sobre meio ambiente; 

Dia 20 (terça-feira)

9h e 14h –  Oficina de Reciclagem; 

Dia 21 (quarta-feira)

8h – Plantio de mudas;

8h30 – Oficina de Reciclagem;

14h – Culminância do projeto com entrega de certificado das oficinas.



Fazer um comentario