Polícia Civil desvenda morte de cabeleireira e prende principal suspeito pelo crime em Araguaína

Polícia Civil desvenda morte de cabeleireira e prende principal suspeito pelo crime em Araguaína

Policiais Civis da 1ª Delegacia Regional de Araguaína, comandados pelo delegado José Rérisson Macedo Gomes desvendaram, nesta segunda-feira, 10, o homicídio da qual foi vítima a cabeleireira Edilene Oliveira da Silva, 30 anos e efetuaram a prisão de Aldenir Alves Teixeira, de 28 anos, marido da vítima e apontado como o principal suspeito pelo crime.

 Durante toda essa segunda-feira, os policiais civis cumpriram três mandados de busca e apreensão e um de prisão temporária em desfavor de Aldenir Alves, pois segundo apontaram as investigações da Polícia Civil, ele é o principal suspeito de assassinar a esposa e ocultar seu corpo.

Conforme o delegado Rérisson, nas várias vezes em que foi ouvido, Aldenir sempre sustentou a versão de que Edilene havia indo embora de casa deixando para trás todos os seus pertences, todavia, por meio das investigações, a Polícia Civil conseguiu provas suficientes de que o indivíduo estava mentindo e tentando atrapalhar as investigações.

“Conseguimos reunir provas suficientes da participação do indivíduo na morte de sua esposa e, desta maneira, confrontamos o mesmo com as evidências que tínhamos e ele não teve mais como sustentar a versão fantasiosa que havia criado para o desaparecimento de Edilene e acabou confessando que havia matado a esposa e enterrado seu corpo na zona rural de Araguaína”, pontuou.

O suspeito relatou aos policiais que, no dia do crime, 14 de julho, teria tido uma discussão com Edilene e, em meio à briga, tentou acalmar a mulher aplicando-lhe um golpe conhecido como “mata leão”. Contudo, ao perceber que a cabeleireira não mais respirava, Aldenir colocou o corpo da esposa no porta-malas do veículo do casal e seguiu até as imediações de uma localidade de mata chamada de “Jacubinha”, onde fez uma cova rasa e enterrou o corpo da mulher.

“Depois de confessar o crime, o homem levou as equipes da Polícia Civil até o local, onde havia enterrado o corpo, sendo que os restos mortais de Edilene foram recolhidos por peritos da Polícia Científica e transportados até o Instituto Médico Legal de Araguaína, para a realização dos exames necessários”, ressaltou.

Após os procedimentos cabíveis, Aldenir Alves Teixeira, foi encaminhado à Casa de Prisão Provisória de Araguaína, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário. O delegado também informou que, diante dos fatos, representará, junto ao Poder Judiciário, para que o mandado de prisão temporária de Aldenir seja convertido em prisão preventiva.

O crime

Conforme o delegado Rérisson, Aldenir teria matado Edilene no dia 14 de julho de 2016, após uma discussão entre o casal, no entanto, o marido só registrou Boletim de Ocorrência no dia 2 de agosto, onde relatava que a mulher teria abandonado a família e os bens, e se mudado para Palmas, onde trabalharia em um salão de beleza da Capital. Ainda de acordo com o delegado José Rérisson, a polícia civil ainda investiga um saque de 14mil reais, que teria sido efetuado na conta de Edilene, no dia de seu desaparecimento. A Polícia Civil também investiga o fato de que o homem teria premeditado o assassinato da mulher.

As investigações que resultaram na prisão de Aldenir e na elucidação do crime foram realizadas pela Delegacia Fazendária, com apoio de policiais civis da Delegacia Especializada no Atendimento a Mulher (DEAM) 4ª Delegacia de Polícia Civil, além de policiais civis da 1ª DRPC de Araguaína.

(Rogério de Oliveira)



Fazer um comentario