Prefeitura promove ações para despoluição e recuperação de nascentes

Prefeitura promove ações para despoluição e recuperação de nascentes




Dentre as ações, estão a catalogação das nascentes dentro do perímetro urbano e a análise dos principais problemas que cada uma delas enfrenta
 
Desde 2013, a Prefeitura de Araguaína realiza um trabalho minucioso para catalogar mais de 140 nascentes que estão dentro do perímetro urbano.  A partir desse trabalho, estão sendo realizadas ações para a despoluição e recuperação dessas nascentes, promovendo também o envolvimento da comunidade sobre a importância da preservação ambiental desses locais.

Dentre as nascentes já identificadas está a do Córrego Raizal, no Setor Tereza Hilário Ribeiro, e a do Córrego​ Engano, onde já foram realizados mapeamento e desapropriação das pessoas que moravam na APP, no Setor Universitário. Nesses dois locais, foi realizado um trabalho de limpeza e conscientização da comunidade que mora próximo ao local.

Segundo a Secretaria do Planejamento, Meio Ambiente, Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico, o maior problema dos córregos do Município é o depósito de lixo irregular​, ​invasão das APPs e, consequentemente, desmatamento da vegetação. Além disso, também existe o assoreamento e falta de drenagem.

Diagnóstico
Nas nascentes já catalogadas, foram feitas marcações de GPS e localização, fotos com qualidade visual, logística e a análise dos problemas que cada nascente enfrenta, para se implantar um projeto efetivo da recuperação individual.

Desafios
As nascentes dentro do perímetro urbano trazem grandes desafios: parar o lançamento de lixo clandestino dentro dos córregos e nas ruas e preservar as áreas de proteção permanentes. Pela dimensão dos córregos de Araguaína, as nascentes precisarão ter ​um raio de ​50 metros de proteção nos olhos d’água​.​ ​Nos córregos, até 10 metros de largura, é preciso ter 30 metros de área de proteção permanente, definidos pelo Código Florestal (Lei Federal nº 12.651/2012).

Ações
Em construção, o projeto da Prefeitura já prevê diagnósticos divididos em etapas, sendo três praticamente definidas, que são a Comunicação Social, a Educação Ambiental e a Recuperação ​e Revitalização ​das Nascentes.  A Comunicação Social informará o que está havendo com o ​córrego​, quais as atividades e ações que estão sendo realizadas, dando mais informações sobre as nascentes ao público.

A Educação Ambiental visará a representação das nascentes, lançamentos irregulares e a fiscalização. E a Recuperação das Nascentes acionará o projeto com o monitoramento de mananciais hídricos e erosão e o puxamento do lago.

 A Prefeitura também tem projetos voltados para a conservação de áreas naturais, no caso os parques projetados, além do Cimba, tem o Parque das Nascentes do Neblina, que será uma unidade de conservação que englobará os seguintes setores: Universitário, Vila Goiás, Vila Norte e parte da Vila Couto.

Em parceria com a ONG Natura Ativa, a Prefeitura realizou o plantio de mais de cinco mil mudas nas nascentes dos rios Jacuba, Raizal, Xupé e Prata. Outra ação que a Prefeitura vai implementar para combater o assoreamento nos córregos que cortam a cidade, serão as bacias de detenção. As primeiras bacias de detenção implantadas em Araguaína serão as dos córregos Canindé e Neblina. 

Participação
A população também deve participar na preservação dessas nascentes, evitando jogar lixo e esgoto nelas; além disso, evitar o desmatamento das matas ciliares​, que são essenciais para evitar assoreamentos ​que fica ao longo dos córregos e ao redor das nascentes.

O cidadão que quiser fazer alguma denúncia sobre poluição, desmatamento ou assoreamentos em nascentes ou córregos, a Secretaria disponibilizou o seguinte telefone: 9994-7878. Ou pode enviar mensagens diretas para a página oficial da Prefeitura no Facebook (https://www.facebook.com/NossaAraguaina/)

 
(Joselita Matos/Fotos: Marcos Filho)

Fazer um comentario