HDT-UFT realiza 421 atendimentos com multiprofissionais no 2º Mutirão da Rede Ebserh

HDT-UFT realiza 421 atendimentos com multiprofissionais no 2º Mutirão da Rede Ebserh

Com foco no “Dia Mundial sem Tabaco”, o Hospital de Doenças Tropicais da Universidade Federal do Tocantins (HDT-UFT), localizado no município de Araguaína (TO) realizou 421 atendimentos no 2º Mutirão Nacional da Rede Ebserh nesta quarta-feira (31). O evento ocorreu simultaneamente em cinco regiões do país, nos 39 hospitais universitários federais filiados à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares. Foram 312 consultas com multiprofissionais e 109 exames de espirometria e dosagem de monóxido de carbono.

Na parte externa do hospital, foi montada uma estrutura para a realização do circuito de atendimento. O usuário passava pela triagem e em seguida era encaminhado por um apoiador para efetuar os exames e consultas com médicos, enfermeiros, psicólogos, nutricionistas, fonoaudiólogos, assistente social e educador físico.

Segundo o superintendente, José Pereira Guimarães Neto, esse resultado positivo do mutirão só se tornou possível pela integração entre alunos, professores, residentes, e os profissionais do HDT-UFT. “ Acredito que estamos no caminho certo, a alegria e o entusiasmo com que a equipe demonstrou no trabalho durante o evento foi contagiante; meu agradecimento e reconhecimento em prol dos usuários beneficiados”, disse.

Dona Rosilda Santos Silva foi uma das pessoas a passar pelo circuito e falou um pouco de sua percepção do mutirão. “Eu achei bom, aumentou os meus conhecimentos em relação as orientações que foram passadas aqui, principalmente sobre o tabagismo; eu não sou fumante, mas convivo com pessoas que fumam e isso nos ajuda a repassar informações seguras para essas pessoas que sofrem com esse problema”. 

Já a senhora Lucília Regina Durães Ferraz que é fumante, saiu do circuito decidida; “quando eu sair daqui, não vou fumar mais, deu para refletir muita coisa, principalmente nós como fumantes”, frisou.

Para a assistente social, Karla Rayane, a proposta do mutirão de trabalhar com ações educativas, visto que a prevenção e a promoção de saúde devem, de fato, ser o foco da política de saúde e ter feito parte da equipe foi muito satisfatório. “Penso que conseguimos muito mais do que simplesmente alcançar metas de atendimentos; conseguimos fazer a diferença na vida de algumas pessoas que muitas vezes precisam apenas de uma orientação, de uma informação para acessar seus direitos e serviços de saúde. Por isso, entendo que o mutirão não só alcançou, mas superou todas as nossas expectativas”, concluiu a profissional.

A Chefe do Setor de Apoio Diagnóstico e Terapêutico, enfermeira Marlucia Vasconcelos Castro, avaliou o evento como uma experiência gratificante e marcante, e atribuiu o sucesso ao trabalho em equipe, à transformação do HDT-UFT em uma nova realidade, e principalmente ao compromisso, dedicação e humanização dos profissionais envolvidos nas ações.

Cerca de 15 estudantes de medicina que compõem a Liga Araguainense do Tórax foram os responsáveis pela realização dos exames, voluntariamente. A presidente do grupo, Vanessa Moreira Lima, falou sobre a participação da Liga no evento. “Sem dúvidas foi uma experiência bastante enriquecedora, todos os ligantes com certeza tiveram um aproveitamento grande, tanto pelo contato com o público, como com as informações coletadas para realizar projetos para vermos como está a saúde da população de Araguaína e podermos apresentar para as autoridades e para o HDT-UFT, além de conscientizar a população quanto à necessidade da cessação ao tabagismo”.

 

(Daianni Parreira)

Fazer um comentario