Araguaína terá fábrica pública de fraldas com produção de até 600 unidades/dia

Araguaína terá fábrica pública de fraldas com produção de até 600 unidades/dia




Serão beneficiados crianças e idosos em situação de vulnerabilidade social e atendidos nas creches, casas de acolhimento, Hospital Municipal e instituições conveniadas com o Município

 
 
Já está em fase final de implantação em Araguaína o Projeto Municipal Fralda Solidária. As famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica e a comunidade atendida por programas e projetos das secretarias municipais da Assistência Social, Educação e Saúde receberão fraldas gratuitamente.

Durante todo este mês de janeiro, a fábrica está produzindo em caráter experimental para elaboração do diagnóstico de produção e avaliação da demanda. Segundo a superintendente da Fundação de Atividade Municipal Comunitária (Funamc), Valdirene Cesário, a produção é de um tipo de fralda por dia, chegando a um total de 400 fraldas para adultos ou 600 fraldas infantis.

Implantada com recursos do Município destinados à Funamc, a previsão é de que a fábrica passe a atender a demanda ainda neste semestre.

Economia
A produção reduzirá consideravelmente as despesas do Município com a aquisição do produto, já que no mercado o valor estimado de uma fralda descartável é de R$ 0,98 (infantil) e R$ 1,80 (adulto), enquanto na fábrica o valor cai para R$ 0,32 (infantil) e R$ 0,92 (adulto).

Concluído o diagnóstico, a fábrica iniciará a produção para atender às creches municipais, casas de acolhimento, Hospital Municipal, famílias assistidas pelo programa de Proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF), Cantinho do Vovô e Casa do Idoso.

A princípio, três servidores da Funamc foram disponibilizados para trabalhar na produção de fraldas, mas o projeto prevê a ampliação da produção, com a inclusão da mão de obra de internos do Centro de Recuperação para Dependentes Químicos e do Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas (CAPS AD), bem como jovens em cumprimento de medidas socioeducativas.

 
 
(Mara Santos/Fotos: Marcos Filho Sandes)

Fazer um comentario