Lar de Savanna recebe concessão de prédio municipal para ampliar atendimento

Lar de Savanna recebe concessão de prédio municipal para ampliar atendimento




Casa de acolhimento para mulheres com câncer está se transferindo para novo local, em Araguaína, e precisa de doações; com espaço maior, local terá ainda oficinas e dança

O Lar de Savanna está recebendo um novo espaço para ampliar a capacidade de acolhimento. Em atividade há um ano e meio, a casa é um ponto de apoio para mulheres com câncer que procuram Araguaína para realizar o tratamento contra a doença. O local concedido pela Prefeitura, por meio da Secretaria da Saúde, é um terreno com edificação, onde funcionava a antiga Farmácia Alternativa, situada na Rua W, no Loteamento Martins Jorge.

De acordo com idealizadora do projeto, Fátima Duarte, 62 anos, a nova casa vai triplicar a capacidade de acomodamento, de 10 para até 30 mulheres por vez. “Vamos passar de 5 para 8 quartos, que podem receber até quatro camas. Serão 4 banheiros e 1 lavabo. Já consegui arrumar o telhado, agora estamos correndo atrás de doações para arrumar os cômodos e mobiliar a casa”, relatou.

Para contribuir com doações para equipar as novas instalações, o Lar de Savanna recebe doações pela conta corrente do Banco do Brasil nº 93009-1, agência 638/6. Para mais informações, os doadores podem ligar para os telefones: 99202-4744 (Fátima) e 98138-0098 (Danilo Leite).

O terreno de 1.344 m² possibilitará ainda inclusão de oficinas e atividades recreativas para as mulheres em tratamento, um dos objetivos traçados por Fátima desde o início do projeto, em julho de 2017. “Teremos uma oficina, com máquinas de costura e outros aparelhos. Além de um espaço de cultura e dança. É importante ocupar a mente, senão só se pensa na doença o tempo todo”.

Do luto à luta

A professora Fátima Duarte, 62 anos, transformou em amor e luta o sofrimento e luto pela perda da filha Savanna. Durante os nove meses de tratamento, a filha observava a dificuldade das pessoas carentes que iam ao centro oncológico e aguardavam nas calçadas pelo atendimento. Dizia à mãe que ajudaria aqueles necessitados quando seu tratamento terminasse. Um ano após o falecimento da filha, aos 35 anos, a casa foi inaugurada, em 7 de julho de 2017.

A casa atual é localizada no Setor Brasil de Araguaína e conta com cinco quartos, sala de visitas, cozinha com fogão industrial, banheiros, dispensa e varanda. O espaço também gera empregos, são seguranças, cozinheiras, porteiro e auxiliar de serviços gerais. Acomodando até 10 pacientes por vez, com cinco alimentações diárias.

Neste ano, a casa acolheu 65 mulheres de vários municípios da região, vindas do Pará, Maranhão e da região do Bico do Papagaio. Elas vêm fazer a quimioterapia oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Araguaína. Fátima espera que o serviço de radioterapia também seja disponibilizado em 2019. Os encaminhamentos para receber o apoio da casa são realizados por meio do Hospital Regional.

(Marcelo Martin/Fotos: Marcos Filho Sandes)

Fazer um comentario