CCZ alerta sobre surto de Doença de Chagas por consumo de bacaba

CCZ alerta sobre surto de Doença de Chagas por consumo de bacaba




Já são 35 pacientes da zona rural de Carmolândia e de Araguaína investigados por consumir o alimento contaminado. Cinco casos já foram confirmados

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Araguaína detectou nesta quarta-feira, 6, um surto de Doença de Chagas por transmissão oral. A origem é de uma bacaba contaminada proveniente do Assentamento Barra Bonita, localizado do Município de Carmolândia, a 30 km de Araguaína.
 
Desde ontem, 35 pessoas já foram investigadas por consumir o alimento na zona rural de Carmolândia e em Araguaína, no Distrito de Novo Horizonte e nos setores Céu Azul, Conjunto Patrocínio e Bairro São João. Até esta manhã, cinco pessoas já tiveram a doença confirmada. Os pacientes foram encaminhados para o Hospital de Doenças Tropicais (HDT), onde estão passando por novos exames e deram início ao tratamento, que dura 60 dias.
 
As equipes do CCZ estão visitando a região, fazendo exames nas pessoas que consumiram o alimento contaminado e alertando os moradores quanto aos cuidados para evitar a contaminação pelo protozoário Trypanosoma cruzi.
 
Higienização do alimento
Segundo a coordenadora técnica do CCZ, Ketren Gomes, a contaminação pode ser evitada com a higienização durante a manipulação e processamento da bacaba.
 
“Cuidado com a lavagem, aquecimento e principalmente a pasteurização, ou seja, realizar várias lavagens do alimento, com várias trocas de água e aquecer a mais de 45 graus para matar o protozoário”, alertou a técnica.
 
A coordenadora ainda informou que, caso as pessoas tenham consumido o alimento proveniente desses locais ou apresentem sintomas da doença, devem procurar a unidade básica de saúde mais próxima ou entrar em contato com o CCZ pelos telefones 0800 646 7020, 3411-7040 e 3411 7128.
 
Quais os sintomas
A Doença de Chagas é uma infecção que apresenta uma fase aguda sintomática ou não e uma fase crônica, que pode se manifestar nas formas indeterminada, cardíaca, digestiva ou cardiodigestiva. Os sintomas são: febre prolongada, dor de cabeça, fraqueza intensa e inchaço no rosto e pernas.
 
Formas de transmissão
Existem mais quatro formas de transmissão da doença além da via oral, por consumo de alimentos contaminados por barbeiros infectados. A vetorial, por meio do contato com fezes dos barbeiros infectados, após picada. A vertical ocorre pela passagem de parasitas de mulheres infectadas pelo Tripanosoma cruzi para seus bebês durante a gestação ou o parto.
 
A contaminação ocorre ainda pela transfusão de sangue ou transplante de órgãos de doadores infectados a receptores sadios. Outra forma é a acidental, pelo contato da pele ferida ou de mucosas com material contaminado durante a manipulação em laboratório ou na manipulação de caça.

(Thatiane Cunha/Fotos: Marcos Filho Sandes)

Fazer um comentario